Translator

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

segunda-feira, julho 30, 2018

NORTHWEST WORLD REGGAE FESTIVAL

 -----------------------------------------------------------------
Northwest World Reggae Festival é um festival anual de reggae que ocorre em Oregon,USA..
Saudações a toda a nossa família NWWRF..
Estamos muito entusiasmados em estar em
Pfau Pfamily Pfarma
Mt Hood, Oregon..
Estaremos ansiosos por um grande show este ano de
REGGAE DAS RAIZES !!!!
Muitos de seus patrocinadores e fornecedores favoritos organizaram uma grande área de Estágio,e também possui o melhor acampamento que qualquer festival nos EUA!
Ocorrido entre 27 e 29 de julho de 2018,o festival desse ano,a décima quarta edição, trouxe nomes como Hempress Sativa,Marla Brown,Akae Beka (Midnite),Rocker T,Raging Fyah,Lee Tafari,Tuff Lion,Katt And Roots Revolution,Kindread,The Lambsbread e outros..
-------------------------------------
 http://www.nwwrf.com/info

domingo, julho 29, 2018

DEBRA KEESE
























------------------------------------------------------------------------
Debra Keese,uma cantora jamaicana veterana,e pouco conhecida,gravou alguns singles na década de 1970..
Debra Keese gravou o single Debra Keese and Black Five ‎– ''Travelling'' de 1977 com Lee ''Scratch'' Perry no selo Black Art e apoiada pelos Upsetters..
Também gravou um single com Lord Sassafrass- Lord Sassafrass and Debra Keeys - ''Green Bay Inquest'' ‎(7") pelo selo Upsetter de 1978 e atuou em um duo chamado Sonny And Debby..
------------------------
https://www.discogs.com/artist/237209-Debra-Keese
DISCOGRAFIA

Singles , EPs

Debra Keese - Travelling album artDebra Keese , Black Five* - Travelling Black Art1977
Debra Keese - Green Bay Inquest album artLord Sassafrass & Debra Keeys* - Green Bay Inquest ‎(7")Upsetternone1978

sexta-feira, julho 27, 2018

LEAF OF LIFE
























------------------------------------------------------------------------
Da comunidade de Dunmair Close em Kingston 19, Jamaica, Leaf of Life iniciou sua carreira sob o nome “Stranger” e teve sua estréia no rádio em 2000 na Irie FM com o single “Higher Inna Life”. Ele gravou sob o selo Young Blood até reconhecer Rastafari como seu chamado. Frequentou o famoso Congresso Internacional Etíope da África Negra (EABIC), em Bobo Hill, Bull Bay e a “School of Vision”, no Blue Mountain Peak.  Em 2003,  assumiu o nome de ''Leaf of Life'' (''Folha da Vida'' ,que significa Medicina, Representante da Floresta, Cura da Nação) e gravou sua primeira música "Gully" no Middle East riddim O álbum Middle East também apresenta Movado e Vybz Cartel,e foi lançado pela gravadora Greensleeves em 2004. Sua habilidade para fazer ''freestyle'' e a criatividade o levou a gravar e tocar sem parar, lançando músicas em riddims populares como ''Police in Helicopter'' e ''Jamaica's Crying for Peace''. Leaf of Life trabalhou ao lado de artistas premiados como Queen Ifrica, para quem escreveu canções como "Yad to the East".A composição vem tão naturalmente para Leaf que ele atualmente tem mais de 300 músicas inéditas armazenadas em seu telefone. O ano de 2005 tornou-o famoso por originar a gíria de "Haile Cush", bem como obter o reconhecimento da imprensa através do Jamaica-Gleaner.com e Jamaica-Star.com., Reggaelizeit.com tinha isto a dizer sobre sua música com Asante Amen e Dean Fraser: " Sinners "é simplesmente um clássico do reggae". Leaf of Life é apresentado em todo o Caribe em shows como Rebel Salute, St. Mary Mi Come e Spice in the Hills. Em 2009 Leaf of Life fez sua primeira viagem aos Estados Unidos com Tony Rebel e Queen Ifrica, que se apresentou no Madison Square Garden e não voltou atrás desde então. Agora em sua turnê nos EUA, ele tocou com Anthony B no Reggae on the River, na turnê mundial do Richie Spice, no Moe's Alley e no NYC Reggae Festival. Fazendo turnés na Califórnia também o levou a expressar sua arte de uma maneira nova. Em 2017, Leaf of Life fez uma aparição no "Most Popular Series Ever" da Netflix; '13 razões pelas quais ', rapidamente se tornou o show mais twittado de 2017 e Leaf se sente humilde por fazer parte disso...
Entre seus últimos temas e video clips estão''Come Over Here'' de 2015 e ''The Music'',de julho de 2018..
---------------------------------
Discografia
Singles
''Come Over Here'' -2015
''The Music''-2018

quarta-feira, julho 25, 2018

TREASURES FROM ROGGER STEFFENS REGGAE ARCHIVES
























-------------------------------------------------------------------------------------
Roger Steffens lançou o livro ''Global Treasures Presents the World of Reggae Featuring Bob Marley: Treasures from Roger Steffens' Reggae Archives by Roger Steffens''..
The World of Reggae featuring Bob Marley: Treasures from Roger Steffens' Reggae Archives apresenta destaques de quase cem artistas jamaicanos e desenvolvimentos musicais, contando a história daqueles que tomaram o Reggae de suas pequenas raízes insulares e o transformaram em uma cultura global. Selecionado da coleção de renome internacional da autoridade do Reggae,o norte-americano Roger Steffens, a exposição abrange quarenta anos de história musical jamaicana, começando com Ska e se movendo através do Rock Steady, Reggae, Dub, DJ (rap), Lovers Rock, Two Tone e Ska Revival , Dub Poetry, e os estilos atuais de Dancehall e Raggamuffin. O livro World Of Reggae é uma experiência visual sobre um fenômeno sonoro. Documentando a história viva do Reggae estão milhares de artefatos, incluindo material de seu maior defensor, Bob Marley, The Reggae King, celebrando a criatividade musical da Jamaica. Incluem capas de álbuns e singles de vinil de 7 polegadas. Roger também mostra cartazes de todo o mundo, fotografias originais, folhetos, camisetas, cartões postais, revistas, livros, banners, adesivos, botões e outras recordações das figuras mais famosas do reggae...
------------------------
https://www.thriftbooks.com/w/global-treasures-presents-the-world-of-reggae-featuring-bob-marley-treasures-from-roger-steffens-reggae-archives/7566066/#isbn=0970791305

terça-feira, julho 24, 2018

JÉRÔME LAPERROUSAZ
























-------------------------------------------------------------------------------------
Jérôme Laperrousaz é um diretor e roteirista francês nascido em 16 de janeiro de 1948 em Tonnerre . Ele é especialmente famoso pelos seus documentários, principalmente no campo musical..
Na parte da música reggae Jérôme Laperrousaz dirigiu os documentários:Third World-''Prisoner in The Street'' de 1980,''Stand Up For Reggae'' de 2005 e ''Made In Jamaica'',de 2006..
--------------------------
https://fr.wikipedia.org/wiki/Jérôme_Laperrousaz

Filmographie 

segunda-feira, julho 23, 2018

THIRD WORLD-''Prisoner in the Street'' (Filme de 1980)










































------------------------------------------------------------------------------
Third World: Prisoner in the Street .Filme de 1980. Direção do cineasta francês Jérôme Laperrousaz..
Filme documentário baseado na banda jamaicana "Third World", incluindo inúmeras entrevistas, trechos de sequências filmadas ao vivo, além de cenas gravadas em estúdios...
Vale a pena conhecer lugares paradisíacos da Jamaica que aparecem no filme como as famosas cachoeiras Dunn's River Falls,e as belas praias incluindo French Man's Cove em Portland..
Considerada a sua melhor formação,o Third World contava na época com William ''Bunny Rugs'' Clarke nos vocais e guitarra,Stephen ''Cat'' Coore na guitarra solo e vocais,Michael ''Ibo'' Cooper nos teclados,William ''Willie'' Stewart na bateria,Richard ''Richie'' Daley no baixo e Irvin ''Carrot'' Jarrett na percussão..
Participam igualmente do filme outras grandes estrelas do reggae como Winston Rodney aka Burning Spear,o guitarrista Junior Marvin (Bob Marley And The Wailers) e Oku Onuora..
O filme dura 73 minutos e foi lançado na época também um LP ''Prisoner in the Street'',com as faixas: Now that We Found Love , Prisoner In The Street ,Third World Man , Cold Sweat,96° In The Shade African Woman , Irie Ites e Street Fighting...
O tecladista Ibo Cooper foi retratado na bela arte da capa..
No filme aparecem os integrantes do grupo Third World em suas atividades cotidianas como shows,ensaios,passeios pela Jamaica,pelos mercados de Kingston,curtindo os sound-systems nativos, praticando esportes como futebol e ginástica,ou apenas relaxando e desfrutando da sagrada ganja..

domingo, julho 22, 2018

PALEMINA



















--------------------------------------------------------------------------
Melonie Waters aka 'Palemina' é uma cantora jamaicana veterana,e grava desde a década de 1970's..
Eu estive em contato com a filha há alguns anos e ela me disse que Palemina viveu no Reino Unido nos anos 60 e era uma cantora de cabaré bem conhecida lá e no Líbano . Também morou no Canadá por 10 anos, agora está de volta á Jamaica e ainda se apresenta ocasionalmente com sua irmã, Faith D'Aguilar.
Minha vez de dar crédito ao bom homem por trás da Kingston Connexion, 'Jacques Golub' por este. O LP de Palemina ''Turn On The Power (Jamaica Riddims) '',lançado em 1977, tem algumas músicas fortes. Sua voz é linda e única. É uma pena que ela não tenha gravado muito mais. (Além do LP existem outros 4 singles.)
Outros temas do LP de Palemina incluem ''Not The Kind'',''Woman In Black'',''Ghetto Man'',''Baby Father''.
Palemina contou no seu álbum com músicos como Bernard ''Touter'' Harvey, Harold Butler e Ralph Holding Jnr. nos teclados,Clarence Weir na guitarra,Tony Moss e Robbie Shakespeare no baixo,Cedric Brooks  na percussão,Carlton "Santa" Davis, Robert e Flick Wilson na bateria, Jacky Wallacy no trumpete e flugel,  Joe MacCormack no trombone ,Cedric Brooks e Ossie Clarke no sax, e John Alexander, Orville Wood, Michael Morgan e Evol Graham nos backing vocais...
Palemina também gravou alguns singles,o mais famoso é ''Living On Sky Juice'' de 1977,e vale constar um que gravou com a irmã Faith D'Aguilar chamado ''Santa Ketch Up Eena Mango Tree'' ‎(7"),do mesmo ano..
-----------------------------------------------------------------------
http://www.bloodandfire.co.uk/db/viewtopic.php?f=1&t=47619
https://www.discogs.com/artist/2957727-Palemina
-------------------------------------------------------------------------
DISCOGRAFIA
Álbum,LP
''Turn On The Power (Jamaica Riddims) '' -1977

Singles , EPs

Living On Sky Juice Pin-Up Records (4)1977
Palemina ; Faith D'Aguilar - Santa Ketch Up Eena Mango Tree ‎(7")Pin-Up Records (4)none1977

sexta-feira, julho 20, 2018

PURPLE D'LYTE












----------------------------------------------------------------
Purple D'Llyte,uma cantora espanhola radicada na Jamaica,já participou de alguns festivais de reggae na Jamaica, Europa e outros lugares..
Já gravou temas como "Renkin Stinkin War" (2017),e seu último tema e video-clip que se chama ''Rebel Up'',de 2018..
 Purple D'Llyte está para gravar seu primeiro álbum,que se chamará "Nature's Love" .A faixa ''Rebel Up'' estará presente no álbum...
-----------------------------
DISCOGRAFIA
Álbum
"Nature's Love"-2018


quinta-feira, julho 19, 2018

RAS INDIO
















--------------------------------------------------------------------------
Ganhando o prêmio ''Best Belizean Reggae Artist'' por três anos consecutivos, Ras Indio continua a espalhar suas vibrações positivas em todo o mundo. Sua entrega única de letras poderosas combinadas com uma presença de palco enérgica garantem iluminar o palco e inflamar a multidão. Seu terceiro álbum, lançado no começo de 2007, incorporou mais de seu som de reggae belizeu, “Driftin Muzik”, que é um dos elementos tradicionais africanos misturados ao som hardcore do roots reggae.  David Cynque Obi, também conhecido como Ras Indio, nasceu em Los Angeles, Califórnia, em 23 de setembro de 1976, para os pais de Belize, Bredda David Obi e Beulah Heusner. A criatividade de Ras Indio é evidente em sua linhagem musical, já que seu pai é um conhecido músico de Belize e o inovador do ''Belizean Kungo Music''. Quando jovem, Ras Indio se mudou para Belize e aprendeu os teclados com a orientação de seu pai. Ele começou a se apresentar em eventos locais em Belize, aos 12 anos, como tecladista da banda de seu pai, Tribal Vibes. Entre os 15 e 21 anos de idade, ele fez viagens anuais com a banda em turnê internacional pelo México, EUA e Europa. Ao retornar aos Estados Unidos em 1994, Indio, junto com sua prima Quinn e seu amigo Moses, criaram um grupo de hip-hop / dancehall de Belize chamado ''Da Wooddwellas''. Eles produziram dois álbuns underground nos EUA com viagens anuais para Belize. Apresentações incluíram abertura para Beenie Man, Mr. Vegas, Berres Hammond e XStatic. Eles também tiveram sua estréia na televisão na MTV em "The Cut", com a falecida Lisa "Left Eye" Lopez da TLC. Ras Indio voltou para Belize em 1999 e desenvolveu a Indigenous Productions embarcando em sua carreira solo. Seu primeiro lançamento de álbum em Belize foi intitulado 'Free Up Mi Nation' com seu hit número 1 ''Wild Wild West''. Chegando ao segundo lugar da contagem regressiva do top 10 da Krem FM, esta música foi, e ainda é, usada como um hino anti-violência em Belize. Sua música também pode ser ouvida na 104.7 2BOB Radio Therapy na Austrália, 99.2 Mega Radio na França com D.J. Prince Thierry e no Havaí com D.J. Al na Rádio IRIE. Seu som também atinge muitas estações de rádio da internet. Após o primeiro lançamento de Ras Indio em 1999, ele se juntou a outros talentosos músicos para formar a Brimstone Family, um grupo com o qual ele ainda se apresenta. Eles são conhecidos como a mais pura banda de Roots Reggae em Belize. A turnê "Push up the Fire" de Ras Indio em 2006 foi realmente bem-sucedida, passando por Chicago, o "Festival da Vida" de 1 a 4 de julho; Long Beach CA, "Caribbean Seabreeze Fest" 23 de julho; Nova York, "NY Park Fest", 19 de agosto; Las Vegas, "Universal Love Fest", 23 de setembro. Estes são apenas alguns shows onde ele abriu e se apresentou com muitos artistas internacionais, como Culture, Wayne Wonder, Baby Cham, Beenie Man e muitos outros. Suas habilidades e talentos incluem canto, teclados, composição e composição. Ele também opera um estúdio de gravação de serviço completo, Indigenous Pro, para seus próprios trabalhos, bem como outros artistas belizenses. Seu trabalho foi narrado em jornais locais, como The Belize Times, The Reporter e Amandala. A publicidade promocional de Ras Indio também pode ser encontrada na edição de março de 2006 da The Beat Magazine. Com uma clara libertação, ele espalha mensagens universais de verdade, amor e justiça. Para mais informações sobre este Artista de Belize, por favor, confira o site:
www.rasindiobelize.com ou myspace.com/rasindio
----------------------------------
https://www.discogs.com/artist/3304727-Ras-Indio
DISCOGRAFIA
EP
One of a Kind-2015

Albums

Jah Bless Us ‎(CD, Album, Dig)Indigenous ProductionsMi Yaard Productionsnone2009

terça-feira, julho 17, 2018

JORDAN OPETI
























----------------------------------------------------------------------------------------
Jordan Opeti é um talentoso cantor e músico de Tinputz, Ilha Bougainville, na Região Autônoma de Bougainville, em Papua Nova Guiné na Oceania..
Também influenciado pelo saudoso cantor sul africano Lucky Dube,Jordan Opeti mostra temas como ''One People'',''Celine'', ''Freedom Fighter'' (feat. J),''Pangkirangku'' - Offsprings Band feat. Jordan Opeti ''Betenisi'' (cover version),''Me Believe'' e ''Calling Liberty'' (feat. Jheff and The Royal Hymnz) ..
Jordan Opeti grava pela local Taravang Digital Studio..
------------------
DISCOGRAFIA
Singles
''Freedom Fighter'' (feat. Jordan Peti)-2018
''Calling Liberty'' (feat. Jheff and The Royal Hymnz)-2018
''Me Believe''-2017

segunda-feira, julho 16, 2018

O REGGAE NA INDONÉSIA
























------------------------------------------------------------------------------------
Reggae indonésio no centro das atenções . Os anos 1980 viram a introdução do reggae nos bares turísticos de Bali e Lombok na Indonésia. Desconectada de suas raízes como resistência à exploração colonial, foi realizada como a trilha sonora oca para os turistas embriagados em férias no paraíso.  Os visitantes locais dos bares que se tornaram conhecidos pelo reggae ao vivo, incluindo o Bruna Bar na praia de Kuta em Bali e Pondok Senggigi na costa oeste de Lombok, foram tomados pelo ritmo suave do reggae e seu convite para influenciar. Na maioria das vezes, eles não entendiam o que era realmente o reggae; afinal, a maioria não conseguia compreender o inglês de sotaque jamaicano das letras. Enquanto Joe , que freqüentava Pondok Senggigi no início dos anos 1990, e posteriormente liderou uma série de bandas populares de reggae na Indonésia, incluindo sua atual banda de Mili Mwang, confessou: “Eu não sabia sobre o que eles estavam cantando. Eu apenas observava os turistas dançarem, via o efeito que o reggae tinha sobre eles e sobre mim ,não tinha pressa. É por isso que escolhi o reggae.  Mas essa atração inicial pelo ritmo logo se transformou em uma curiosidade sobre o assunto do reggae. O mais celebrado artista de reggae de Bali, Joni Agung, lembra de passar horas investigando as definições de cada palavra em músicas selecionadas de Bob Marley usando um dicionário inglês, apenas para descobrir que o reggae falava de algo muito diferente das imagens de um paraíso tropical preguiçoso ritmo. Os temas do reggae de corrupção generalizada, colonialismo e a disparidade entre ricos e pobres ressoaram com Joni e outros que sentiram que suas próprias experiências vividas estavam representadas nas letras de Bob Marley. Como Tony Q, a lenda indiscutível do reggae indonésio, comentou: "Reggae disse todas as coisas que eu queria dizer".  A mudança urbana A crise financeira asiática de 1997-98, seguida pelos atentados terroristas de 2002 em Kuta, devastou as indústrias do turismo em Bali e em Lombok e roubou o reggae de seu público-alvo na Indonésia. Os principais locais para reggae ao vivo fecharam e por um tempo a comunidade de indonésios dreadlocked que tinha desenvolvido um apego à música não tinha lugar para ir.  Mas em Jacarta, o ex-músico country Tony Q estava atraindo um público marginal com sua versão híbrida de reggae. Cantando em indonésio e ocasionalmente apoiado por gamelões javaneses ou gendang sundaneses, Tony Q apelou para a juventude da cidade, que almejava alternativas ao estilo pop e rock ocidental e ocidental que dominavam as ondas de rádio e a televisão musical. Outras bandas de reggae de Jakarta, incluindo Asian Roots e Tuff Gong, também atraíram a atenção com suas canções de reggae indonésias e pequenas cenas de reggae, em grande parte invisíveis ao mainstream, começaram a aparecer em outros centros urbanos, incluindo Yogyakarta e Medan.  A popularidade da música reggae na Indonésia, e do reggae indonésio em particular, cresceu com o lançamento em 2006 do álbum de estreia de Steven e CoconuTTreez, de Jacarta, The Other Side , que incorporou uma mistura de músicas pop-reggae indonésias e inglesas. A música mais reverenciada do álbum, 'Welcome To My Paradise', que foi escrita pelo vocalista Tpenk durante uma visita ao Gili Trawangan de Lombok, celebrou a liberdade do trabalho penoso da vida moderna. Seu tema universal de busca de felicidade e harmonia em um mundo sombrio impressionou jovens indonésios desiludidos, que também queriam encontrar um lugar onde pudéssemos dançar e beber, um lugar onde pudéssemos compartilhar alguma erva, um lugar onde não há besteira e todo mundo pode vir.  Joni Agung, de Bali, apresenta suas músicas originais em língua balinesa para uma multidão mista de indonésios e turistas estrangeiros. Apache Reggae Bar em Kuta Lisa Colquhoun Não só a música e o álbum capturaram a imaginação da juventude indonésia em números notáveis, mas também trouxeram a música reggae de volta à indústria do turismo da Indonésia. Em 2006, o número de turistas havia se recuperado de baixas pós-bombardeio, e The Other Side foi tocada em alta rotação em Bali e Gili Trawangan, muitas vezes a pedido desses turistas. Cópias piratas do álbum foram vendidas por vendedores ambulantes nas ruas e levadas para casa por visitantes estrangeiros. O reggae estava sendo reexportado como um produto indonésio.  Revolução do reggae .Devido ao sucesso de Steven e CoconuTTreez em todo o arquipélago, as cenas de música reggae proliferaram em todo o arquipélago. Aparentemente durante a noite, todas as grandes cidades tinham sua banda de reggae residente ou artistas, que foram vistos participando ativa e conscientemente da localização da música reggae na veia de Tony Q. As gravadoras podem, na maior parte do tempo, não se inclinar a dreadlocks e fumantes de ganja, mas a transmissão online e os sites de redes sociais facilitaram a distribuição do reggae indonésio, e o que é conhecido localmente como a "Revolução do Reggae da Indonésia" nasceu.  A revolução do reggae indonésio levou o reggae indonésio a um nível totalmente novo. De acordo com o autodenominado embaixador do reggae indonésio no mundo, Ras Muhamad, havia agora um maior senso de obrigação para os produtores de reggae indonésio de servir como "mensageiros" para os consumidores. Embora Joni Agung, de Bali, acredite que a forma de música reggae deve se adaptar às sensibilidades locais, ele concorda que os músicos de reggae indonésio não devem ignorar a capacidade do reggae de comunicar mensagens sociais e políticas para suas audiências. Como diz Ras Muhamad, o reggae, seja jamaicano, indonésio ou não, é inerentemente "música rebelde".  Muitos músicos de reggae indonésios aproveitaram a recém-descoberta popularidade do reggae indonésio para expressar preocupações sociais e políticas relevantes para seu público. Os artistas de reggae indonésios falam sobre questões e fenómenos localmente específicos como o desemprego juvenil em Lombok (Lombok Holiday de Joe e Mellow Mood) ea destruição dos arrozais da Indonésia na sequência da crescente urbanização (Anak Kampung de Tony Q). O reggae indonésio também forneceu um espaço para críticas públicas a regimes atuais e passados ​​sem a ameaça de censura ou denúncia do governo, como demonstram os álbuns e vídeos musicais altamente críticos de Ras Muhamad. O reggae foi até adoptado em partes do arquipélago como uma expressão de ambições separatistas, como por D'Embalz de Ambon.  Muitos músicos de reggae indonésios aproveitaram a recém-descoberta popularidade do reggae indonésio para expressar preocupações sociais e políticas relevantes para seus públicos Mas, apesar da liberdade do reggae de censurar o governo, muitos artistas indonésios do reggae admitem que se afastam um pouco dos comentários políticos explícitos. Bandas baseadas em Yogyakarta, Marapu e Shaggydog, por exemplo, sugerem que a política deve gradualmente entrar no reggae indonésio para não sobrecarregar públicos inexperientes. Para ambas as bandas, a prioridade é estabelecer grandes e leais bases de fãs através da exploração de temas mais gerais de paz e amor universal. Se a música reggae é para ser um veículo eficaz para a expressão política, argumentam eles, o público deve ser o mais grande possível, além de estar disposto e pronto para ouvir. "Nós precisamos conhecer nosso mercado primeiro, então podemos fazer a diferença", declarou Heru, vocalista do Shaggydog.  Um site cosmopolita A performance e a apreciação do reggae na Indonésia já foram limitadas às alegres versões cover das melodias clássicas de Bob Marley nos resorts à beira-mar de Bali e Lombok. Agora fala ao público indonésio sobre questões e fenômenos que os afetam, em uma linguagem que eles possam entender. Em um mercado dominado por canções de amor, os jovens indonésios estão recorrendo cada vez mais ao reggae, encontrando nele uma voz para expressão política.  Mas o reggae indonésio está começando a atrair a atenção internacional. Vários artistas de reggae indonésios foram convidados para se apresentar no exterior e outros tiveram suas músicas incluídas em álbuns internacionais de compilação de reggae. Assim como os indonésios tentaram entender o conteúdo das músicas de Bob Marley nos anos 80 e 90, os visitantes estrangeiros estão agora vasculhando os dicionários indonésios para traduzir as letras de suas canções de reggae indonésias favoritas. Uma análise das páginas do MySpace e do Facebook revela o quão internacional o público do reggae indonésio se tornou. Não somente, então, o reggae foi adotado e localizado ao longo do tempo, envolvendo um público indonésio no discurso sócio-político. Tornou-se também um site cada vez mais cosmopolita, onde os fãs de reggae de todos os cantos do mundo encontram a Indonésia...
----------------------------------
http://www.insideindonesia.org/reggae-revolution

sábado, julho 14, 2018

O REGGAE NA NOVA ZELÂNDIA









































---------------------------------------------------------------------
O reggae da Nova Zelândia é a variação da Nova Zelândia ( Aotearoa ) do gênero musical reggae . É uma parte grande e bem estabelecida da música da Nova Zelândia e inclui algumas das bandas mais bem sucedidas e aclamadas do país.  O Reggae na Nova Zelândia nos anos 70 e 80 incluiu Herbs , Dread, Beat e Blood , Unity Pacific e Twelve Tribes of Israel. O concerto de Bob Marley, de 1979, no Western Springs Stadium, é considerado uma enorme influência do crescimento do reggae no país e inspirou muitos proeminentes artistas de reggae. O crescimento da religião Rastafari , particularmente entre os Maori , também foi um fator no crescimento do gênero, e as altas taxas de uso de maconha entre os neozelandeses provavelmente influenciaram.O Reggae liderou as paradas na Nova Zelândia no início dos anos 1980, quando Toots and the Maytals , o primeiro artista a usar o termo " reggae " na música, ganhou disco de platina com sua música "Beautiful Woman".  A cena do reggae é centrada em torno do Waikato , Whanganui e da capital Wellington , com a música capital tendo um som mais dub e influenciado pelo jazz . A maioria das bandas de reggae da Nova Zelândia incorpora diferentes influências estilísticas e o resultado é uma combinação única de sons.  A cena não fica sem seus detratores e é referida irrisoriamente como "reggae de churrasco" ("BBQ reggae")..
A inferência é que a música funciona apenas como um cenário chato e desafiador para ter um churrasco no quintal. Às vezes, essa crítica é direcionada ao reggae da Nova Zelândia em particular, em contraste com outros artistas de música reggae. O mais bem sucedido dos últimos artistas é o grupo Fat Freddy's Drop , que incorpora influências de jazz, soul e dub e reflete o som da capital. Eles ganharam inúmeros prêmios e venderam mais de 90.000 cópias de seu primeiro álbum. Um dos grupos mais importantes da última década foi o Trinity Roots (1998–2005), que também mesclou melodias de jazz esparsas com seu reggae com grande efeito. O Black Seeds é outro grupo que tem sucesso comercial significativo nos últimos tempos. Seus álbuns `On The Sun` e `Into the Dojo` venderam platina dupla e o grupo excursionou extensivamente por toda a Europa. O último álbum deles, `Solid Ground` , alcançou o 15º lugar nos EUA com o Reggae Charts.  Outros grandes grupos da Nova Zelândia incluem Katchafire , Cornerstone Roots , 1814 , NRG Rising,Kora , House of Shem e Tahuna Breaks . Grandes grupos dub / eletrônicos incluem Pitch Black , Shapeshifter e Salmonella Dub .
Festivais  - A cena é baseada em performances ao vivo e grandes festivais de reggae ocorrem anualmente. Os mais importantes são o Soundsplash Eco Reggae Festival em Raglan , o Kaikoura Roots Festival e o East Coast Vibes, o festival anual de reggae das raças de Gisborne realizado todos os anos em janeiro, no Gisborne Soundshell em Midway Beach. Existe uma forte coleção de "sound-systems", grupos que organizam festas e eventos com DJs e MCs. One Love e Raggamuffin são populares concertos anuais de reggae que celebram o aniversário de Bob Marley (6 de fevereiro), data que coincide com o feriado público da Nova Zelândia, Waitangi Day ...
----------------------------
https://en.wikipedia.org/wiki/New_Zealand_reggae

sexta-feira, julho 13, 2018

O REGGAE EM PAPUA-NOVA GUINÉ





















------------------------------------------
A Papua-Nova Guiné, oficialmente Estado Independente da Papua-Nova Guiné, é um país da Oceania que ocupa a metade oriental da ilha da Nova Guiné, e uma série de ilhas e arquipélagos, a leste e a nordeste, embora sempre na Melanésia,e a capital é Port Moresby..
Durante a década de 1990, o cantor e compositor local de Papua Nova Guiné, George Telek, tornou-se uma estrela internacional ao fundir harmoniosamente o rock, o reggae, a música de cordel e as harmonias indígenas Papuanas no álbum “Serious Tam”, lançado pela gravadora Peter Gabriel's Real World. Telek vem da aldeia Tolai de Raluana, perto da cidade de Rabaul no leste da Nova Bretanha e canta tanto em Tok Pisin quanto na língua Tolai de Kuanuan. Ele começou sua carreira musical nos anos 70, tocando bandas populares como The Moab Stringband e The Jolly Roger Stringband antes de se juntar ao The Kagan Devils, The Unbelievers Revival Band e eventualmente ao grupo de rock Painim Wok (“procurando trabalho”) que foi Maior banda de rock de Papua Nova Guiné, nos anos 80. Sua colaboração com o músico australiano David Bridie, “ Tabaran ”, abriu novos caminhos ao fundir os sons da Papua Nova Guiné e da Austrália. Desde então, ele continuou a gravar novas músicas e turnês internacionalmente, mas ele continua sendo um artista dedicado a Papua Nova Guiné, ainda vivendo e criando em Raluana.
O caminho único de O-Shen para o estrelato internacional do reggae começou em Papua Nova Guiné, onde seus missionários brancos americanos o criaram até os quinze anos. Quando eles voltaram para Spokane, Washington, O-Shen (nascido Jason Hershey) teve dificuldade em se encaixar e eventualmente acabou tendo problemas. (Um pequeno roubo, alguns anos de prisão.) Após sua libertação, O-Shen retornou à Papua Nova Guiné e de lá se mudou para o Havaí, onde seu reggae baseado em Papua não só se tornou cada vez mais popular, mas também mais confiável. "FaYa!" Inclui músicas em Yabim, Rigo, Nakanai, Kiwai e Niugini pidgin.
O caminho único de O-Shen para o estrelato internacional do reggae começou em Papua Nova Guiné, onde seus brancos missionários americanos o criaram até os quinze anos. Quando eles voltaram para Spokane, Washington, O-Shen (nascido Jason Hershey) teve dificuldade em se encaixar e eventualmente acabou tendo problemas. (Um pequeno roubo, alguns anos de prisão.) Após sua libertação, O-Shen retornou à Papua Nova Guiné e de lá se mudou para o Havaí, onde seu reggae baseado em PNG não só se tornou cada vez mais popular, mas também mais confiável. "FaYa!" Inclui músicas em Yabim, Rigo, Nakanai, Kiwai e Niugini Pidgin...
Anslom Nakikus é uma figura de destaque no reggae de Papua Nova Guiné.
O saudoso cantor do reggae sul africano Lucky Dube é inspiração para o som de Nakikus e outros ótimos artistas do reggae de  Papua Nova Guiné..
Nakikus inclusive já gravou algumas músicas com a banda sul-africana One People Band,que inclui Thuthukani Cele e outros músicos que tocaram com Lucky Dube ..
Outros grandes nomes do reggae de Papua Nova Guiné incluem:
 Jordan Opeti,Jah Roots,Jheff And The Royal Hymnz,Calabash,Junior Kokoratts,Tusitti Roots,Hollie Maeae,Chris Kuskus,Charles Kivovon,Leonard Kania,Lista Laka, Mandarah Souls,Basil Greg,Logic Crew e vários outros artistas..
-----------------
https://www.allaroundthisworld.com/learn/oceania-and-the-pacific-islands/papua-new-guinea-2/papua-new-guinea-music/

quinta-feira, julho 12, 2018

TARMAC



















------------------------------------------------------------------------------
Tarmac é uma banda consciente de reggae e crítico-reflexiva, nascida na Colômbia, em 2005, sob a influência da música jamaicana e grandes artistas da música Africana. No palco, suas letras em diferentes idiomas e seu poderoso show de explosivo de novas raízes, Dancehall e Raggamuffin causam grande alegria e emoção. Através dos anos, estabeleceu-se como uma das bandas mais representativas de Reggae nacional da Colômbia. Eles produziram cinco álbuns independentes: ''Inna Gueto'' em 2006, ''Tarmac'' em 2010 , ''Mix Tape Especial Edition'' em 2011, ''Reggae Music Everytime'' produzido na Jamaica, e ''Mash Dem Down'' em 2017.
Tarmac já participou de grandes festivais do país, como Rock Al Parque, Festival Estereo Picnic, Altavoz Internacional e Rototom Reggae Contest Latino, entre outros. Em 2015 o grupo Tarmac foi convidado a tocar no SXSW em Austin, Texas e desenvolver um passeio pelo Texas, Nova Orleans e Miami;em 2016 visitaram a Europa (Espanha, França, Suíça) onde desenvolveram parte de seu novo álbum e voltaram para os EUA para realizar em Miami e Nova York, onde seu álbum termina com a colaboração de vários artistas e produtores.  O que está vindo: Atualmente estão trabalhando na edição de vários videoclips do novo álbum que publicarão em breve. ''Pouvoir Noir'', gravado na França e ''We Got It'' gravado em Antioquia são algumas das últimas canções que vemos nos vídeos,de 2018. Além disso,os membros do Tarmac estão preparando um documentário biográfico com seções da sua experiência na Jamaica...
Membros da banda:
Riggaz - Voz
Bassman Power - Baixo
Julian - Bateria
Pipe - Guitarra
Perro - Teclados
Yonimba - Trompete
-------------------------------------
http://www.tarmacreggae.com/
DISCOGRAFIA
Álbuns
''Inna Gueto'' -2006
''Tarmac'' - 2010
''Mix Tape Especial Edition'' -2011
 ''Reggae Music Everytime''-2017
''Mash Dem Down'' - 2017

quarta-feira, julho 11, 2018

O REGGAE e o ROCK






































-------------------------------------------------------------------------------------------
O Rock'n Roll teve uma forte influência e  igualmente foi influenciado pela música reggae jamaicana..
Artistas como The Rolling Stones,The Beatles,Janis Joplin,Led Zeppelin,Joe Cocker,The Police,The Clash,Frank Zappa,Eric Clapton,Carlos Santana,Bob Dylan,Rush,Elvis Costello,The Pretenders,Talking Heads e Sinéad O'Connor gravaram músicas fortemente influenciadas pelo reggae..
Astros do reggae jamaicano como Peter Tosh gravaram com lendas do rock'n roll e blues como Rolling Stones,Eric Clapton,Joe Cocker,e Tosh ainda teve 2 de seu álbuns ''Bush Doctor'' e ''Mystic Man'' gravados na Rolling Stones Records..
Mick Jagger e Keith Richards ainda tiveram participação especial no álbum ''Bush Doctor''..
A adoção ocasional do reggae pelo rock teve seus altos e baixos. Embora o gênero tenha encontrado um parceiro natural no punk rock, com o reggae e o punk compartilhando interesses em questões sociais e polêmicas incendiárias, ele poderia tornar um colega de cama desajeitado com mais rock clássico.  Isso significa que tem havido aqueles - e estamos olhando para você, Led Zeppelin - que lutaram para convencer que eles são mais do que turistas que visitam o reggae como se estivessem em uma ilha caribenha. Mas, olhe um pouco mais, e há uma abundância de fusões brilhantes de reggae  com rock,como os Rolling Stones com ''Hey Negrita'' (1976) . Keith Richards encontrou um fã de reggae similar quando Ronnie Wood se juntou aos Stones, e os dois trabalharam no riff latino-reggae de Wood com o baterista Charlie Watts. Eles alcançaram a mais rara das coisas: uma banda de rock clássico branco tendo uma punhalada credível no reggae.
Keith Richards também gravou com Max Romeo e fundou na jamaica seu próprio grupo de reggae instrumental,rocksteady e nyahbinghi chamado ''Wingless Angels''...
 Tendo emprestado o baixista de Parker, Andrew Bodnar, e o baterista Steve Goulding, cuja batida imaculada faz isso, Elvis Costello ofereceu um clássico do rock reggae. Inspirado por repetidas aparições da estréia do The Clash em uma sessão de audição toda a noite..
Começando com Joe Strummer franzindo a testa para o reggae mainstream que ele erroneamente tinha ido ver no Hammersmith Palais, então se transformando em um ataque contundente às relações raciais do Reino Unido ao longo de um ritmo de reggae punk, essa continua sendo a apoteose do rock-reggae..
The Pretenders com Private Life ,de 1980. Mais tarde, coberta por Grace Jones, que era apoiada por ícones do reggae Sly e Robbie, este foi um caso mais sufocante nas mãos de Chrissie Hynde. Hynde foi inspirada pela influência do reggae na cena punk de Londres e gravou com o UB-40, enquanto seu vocal flutuante emprestou uma sensação totalmente mais sedutora..
Marcando o ponto em que Rush tentou seguir em frente do prog-rock - para o aborrecimento do produtor Terry Brown , ''Digital Man'' do álbum ''Signals'' encontra os canadenses misturando seus velhos sons progressivos com uma ponte de reggae, sintetizadores e letras sobre Babilônia, Zion e Avalon...
 Inegavelmente escravizado por The Clash, Rancid reteve o suficiente de seu próprio espírito para carregar a tocha de reggae rock nos anos 90. Segundo álbum, de 1995 ''And Out Came The Wolves'' , caracterizando neste  "Junkie Man"  e "Roots Radicals" , encontra o cantor Tim Armstrong no modo Joe Strummer. Quando o reggae surgiu no final dos anos 1960, veio como uma bomba cultural não só para a Jamaica, mas para o mundo inteiro. O reggae influenciou as sociedades em todo o mundo, contribuindo para o desenvolvimento de novos movimentos de contracultura, particularmente na Europa, nos EUA e na África. De fato, no final da década de 1960, ela participou do nascimento do movimento skinhead no Reino Unido. Nos anos 70, impactou nas culturas punk e pop ocidentais e inspirou os primeiros rappers nos EUA. Finalmente, desde o final dos anos 70 em diante, também influenciou cantores originários da África, Alpha Blondy, Tiken Jah Fakoly e Lucky Dube sendo exemplos perfeitos. Assim, o trabalho examinará o impacto da música reggae jamaicana no universo cultural mundial, especialmente na Europa, EUA e África. Quando surgiu no final dos anos 1960, o reggae veio como uma bomba cultural não só para a Jamaica, mas para o mundo inteiro. Seu ritmo lento, suas letras militantes e espirituais, bem como a aparência rebelde de seus cantores, entre outros, influenciaram gêneros musicais, culturas e sociedades em todo o mundo, contribuindo para o desenvolvimento de novos movimentos de contracultura, especialmente na Europa, na Europa. EUA e África. De fato, no final da década de 1960, ela participou do nascimento do movimento skinhead no Reino Unido. Nos anos 70, impactou nas culturas punk e pop ocidentais, influenciando artistas como Eric Clapton e The Clash. Durante a mesma década, inspirou os primeiros rappers nos EUA, dando origem à cultura hip-hop. Finalmente, desde o final da década de 1970, também influenciou cantores oriundos da África, os cantores marfinenses Alpha Blondy e Tiken Jah Fakoly, e o sul-africano Lucky Dube, que ilustra claramente esse ponto. Assim, meu trabalho examinará o impacto da música reggae no universo cultural mundial, concentrando-se especialmente na Europa, EUA e África. Entre 1953 e 1962  aproximadamente 175.000 jamaicanos da cidade e do país embarcaram nos barcos de banana destinados a Londres, Liverpool e outros portos britânicos” (Chevannes 1994: 263). E apesar da Lei dos Imigrantes da Commonwealth de 1962 , a imigração de jamaicanos para o Reino Unido, especialmente a Inglaterra, permaneceu bastante significativa durante os anos 60. Assim, no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, a Inglaterra tinha uma grande comunidade jamaicana. A maioria dos imigrantes jamaicanos vivia em bairros operários como Tottenham (norte de Londres) e Brixton (sul de Londres), sendo que este último possuía provavelmente a maior concentração de imigrantes jamaicanos no Reino Unido. Foi basicamente nesse contexto que a música popular jamaicana da época, ska, rocksteady e early reggae, ganhou seguidores dentro das comunidades jamaicanas expatriadas através da subcultura do sistema sonoro . Enquanto isso, um movimento de contracultura juvenil estava surgindo nos mesmos bairros da classe trabalhadora de Londres: os skinheads.O termo “dancehall” refere-se ao espaço em que as gravações populares jamaicanas foram transmitidas.Na verdade, o movimento skinhead evoluiu do movimento modernista, um movimento da juventude da contracultura que se originou em Londres no final dos anos 1950, mas cujo pico corresponde a meados da década de 1960. Os modernistas (geralmente chamados simplesmente de “mods”) geralmente eram de origens da classe trabalhadora. Eles costumavam cortar o cabelo, tanto para ajudar a sua moda quanto para impedir que o cabelo os impedisse de brigas de rua. Eles costumavam se reunir todos os sábados para participar de partidas de futebol e apoiar suas equipes locais, que muitas vezes terminavam em lutas em massa entre os torcedores adversários. Eles eram garotos difíceis, com certeza, mas paradoxalmente eles “afetavam o dandismo” . À noite, por exemplo, os mods costumavam se vestir com suas melhores roupas e ir a clubes noturnos negros para dançar música afro-americana, como ritmo, blues e soul music, de que gostavam muito. Eles também costumavam ir ao dancehall  para dançar com novos sons trazidos por imigrantes jamaicanos, como ska, rocksteady e early reggae. Nessas reuniões, mods e garotos rudes jamaicanos dançavam, riam e bebiam juntos, compartilhando seu gosto por esses gêneros musicais. Vale a pena sublinhar que o movimento rude dos rapazes irrompeu no início dos anos 60 como uma força distinta entre os jovens desempregados de Kingston. O musicólogo jamaicano Garth White disse que esses jovens do sexo masculino “se tornaram cada vez mais desencantados e alienados de um sistema que parecia não oferecer alívio ao sofrimento. Muitos dos jovens se tornaram rudes . 'Rude boy' (bwoy) aplicado a qualquer pessoa contra o sistema ”. Assim, mods e meninos rudes se fundiram dando origem ao movimento skinhead. Em uma entrevista que conduzi com Roddy Moreno, líder do Oprimido e uma figura emblemática do movimento skinhead, este último disse:  Roddy Moreno, entrevista conduzida por mim em 29 de setembro de 2008. “Como grande parte da Grã-Bretanha se manteve distante dos imigrantes, os skinheads adotaram o estilo e a música jamaicana. Participávamos todas as noites de festas Blues juntos e muitos jovens negros eram próprios skinheads. Lembre-se de que os migrantes jamaicanos eram relativamente pobres e, portanto, os garotos da classe trabalhadora tinham mais em comum com eles do que com as classes média e alta da Grã-Bretanha. Vivíamos nas mesmas ruas, frequentávamos as mesmas escolas e nos divertíamos juntos. Enquanto grande parte da Grã-Bretanha via os migrantes como "aqueles negros", nós, os skinheads, os considerávamos "nossos companheiros negros". É claro que havia skinheads com atitudes racistas, mas a maioria dos skinheads tinha companheiros negros e a maioria das gangues skinheads tinha garotos negros entre suas fileiras. Skinhead não existiria sem a Jamaica .Naquela época, como Roddy Moreno explicou, a maioria dos skinheads era próxima da juventude jamaicana, particularmente dos meninos rudes jamaicanos, com quem tinham coisas em comum. De fato, eles viviam nas mesmas áreas pobres de Londres, estavam ligados pela história do país e estavam unidos pelo mesmo espírito de rebelião e amor mútuo pelo futebol, brigas de rua, roupas, música, drogas (acima de tudo maconha, chamada ganja), e assim por diante. Do ponto de vista musical, artistas jamaicanos como Prince Buster, Lauren Aitken, Max Romeo, Desmond Dekker e The Hot Red All Stars, entre outros, encontraram grande sucesso dentro do movimento skinhead. Os skinheads se reconheceram dentro de suas letras rebeldes elogiando garotos rudes como “Shanty Town” de Desmond Dekker.Tony Harcup, professor titular do Departamento de Estudos de Jornalismo da Universidade de Sheffield .Alguns dos artistas mencionados acima dedicaram algumas de suas músicas para esse público fiel. "Skinhead Train" (1969) de Lauren Aitken e "Skinhead Don't Fear" de The Hot Red All Stars (1970) ilustram claramente esse fato.  Mas, em meados da década de 1970, a Frente Nacional Britânica (BNF) começou a recrutar skinheads como soldados de rua, uma vez que eram conhecidos por sua violência e havia um terreno ideal para o racismo. De fato, Roddy Moreno enfatizou na entrevista que “havia skinheads com atitudes racistas”. Além disso, diz-se que as agressões aos asiáticos (“paki-bashing”) e homossexuais (“farsantes”) eram formas comuns de brutalidade skinhead.  Foi nesse estágio que o racismo se infiltrou no movimento skinhead. Mark Downie, um ex-skinhead e líder da banda inglesa de ska N ° 1 Station, disse sobre esse fenômeno:  Mark Downie, entrevista conduzida por mim em 30 de setembro de 2008. “Em 1975, os skinheads tinham crescido e mudado para coisas diferentes, e o surgimento da política de extrema direita na forma da Frente Nacional estava ativamente distribuindo panfletos de futebol, mirando em skinheads passados ​​e presentes e efetivamente sequestrando a moda” .A influência da BNF levou a uma divisão dentro do movimento dividida entre skinheads tradicionais, não racistas, que permaneceram fiéis à música jamaicana, e skinheads neonazistas (chamados de skinheads por skinheads tradicionais), que se transformaram em uma espécie de violenta música punk. No entanto, apesar dessa divisão lamentável, o movimento skinhead tradicional se perpetuou, dando origem a ramificações semelhantes em todo o mundo, especialmente na Europa e nos EUA . A música reggae não apenas influenciou o movimento skinhead, mas também influenciou fortemente o movimento punk, em parte graças a Don Letts, um jovem negro nascido em Londres de pais jamaicanos. Em 1977, Don Letts foi DJ na lendária boate The Roxy, onde apresentou o reggae e dublou a crescente cena punk rock, influenciando bandas britânicas como The Clash e The Sex Pistols. Em uma entrevista que eu conduzi com Don Letts, ele me explicou como ele tocava reggae neste famoso clube orientado para o punk: ''Isso foi tão cedo no movimento punk que não havia nenhum disco punk para tocar. Então eu toquei o que eu amava, dub reggae, e sorte para mim os punks também adoraram, embora eu tenha escorregado um pouco em New York Dolls, Iggy e Stooges e o MC5 ocasionalmente. Eles gostaram das linhas de baixo e da postura ''anti-establishment'' e do fato de que as músicas eram sobre algo (e eles também não se importavam com a erva!)  No mesmo ano, The Clash começou a misturar ritmos de punk e reggae e eles cobriram o hit de reggae de Junior Murvin, “Police And Thieves”. Bob Marley, que era amigo de Don Letts e foi apresentado à cena punk pelo último ,  lançou "Punky Reggae Party", uma música que se tornou o hino para o intercâmbio cultural que Don Letts havia criado no Roxy. Outra música que merece ser citada é "The Guns Of Brixton", de The Clash, que evoca a repressão policial em Brixton e reflete os distúrbios subsequentes em 1981.Esta canção representa claramente a ira do povo contra uma sociedade que os faz viver na miséria, a polícia encarnando esta sociedade. Na verdade, o punk rock e a música reggae, embora completamente diferentes do ponto de vista musical, compartilhavam algumas semelhanças, para começar com o fato de que ambos eram movimentos musicais de contracultura, espalhando uma mensagem de rebelião contra o ''establishment''. Em outras palavras, punks e rastas compartilhavam a mesma idéia de liberdade e rebelião contra as normas sociais e o estabelecimento dessas normas  . Ao longo dos anos 1970 e 1980, muitos outros artistas pop e rock britânicos foram inspirados pelo reggae e prestaram homenagem a ele, entre os quais: The Rolling Stones; Eric Clapton - em 1974, ele gravou “I Shot The Sheriff”, de Bob Marley, que foi um verdadeiro sucesso -; Nina Hagen, que é alemã de nascimento, mas fez carreira na Grã-Bretanha; The Police liderado por Sting –– “Roxanne” foi um sucesso mundial em 1978 , Culture Club liderado por Boy George e assim por diante.  Mais recentemente, reggae, dub e dancehall também influenciaram muito a cena eletrônica eletrônica britânica, que encontra suas raízes na técnica de remix quase intrínseca à música jamaicana desde o surgimento da dub no final dos anos 1960 . Isso deu origem a novos gêneros musicais como drum and bass, jungle e trip-hop, sendo este último pioneiro de artistas como Massive Attack, Portishead ou Tricky. Os três são originários de Bristol (South West, Inglaterra). Além do remix, a subcultura do sistema de som também teve um grande impacto na cena musical eletrônica britânica, resultando em festas rave ou gratuitas, ou seja, eventos realizados ao ar livre ou em edifícios abandonados. A Spiral Tribe, um grupo de artistas originários de Londres, foi um dos primeiros a organizar este tipo de festas não licenciadas no Reino Unido no início dos anos 90. Vale acrescentar que os dreadlocks e a ganja, que pertencem ao mundo dos ravers, também parecem resultar do universo jamaicano do reggae.  Por último, mas não menos importante, o reggae jamaicano foi obviamente o pai do reggae britânico, cujas figuras emblemáticas continuam a ser Steel Pulse, Aswad, UB 40, Maxi Priest e Bitty McLean, entre outros. Tais fenômenos musicais e sociais não estão exclusivamente ligados ao Reino Unido, mas se espalharam por toda a Europa. A França, por exemplo, é outro país europeu que tem sido muito influenciado pelo reggae tanto musical quanto culturalmente. No final dos anos 1970, atraídos pelo aspecto rebelde do reggae, cantores pop como Bernard Lavilliers e Serge Gainsbourg estavam entre os primeiros artistas brancos franceses a registrar ritmos de reggae. Enquanto isso, numerosos jovens de origem africana e francesa do Caribe se reconheciam na mensagem sócio-político-espiritual transmitida pela música reggae jamaicana, que deu origem a uma escola de reggae francesa pioneira de artistas como Pablo Master, Princesa Erika, Daddy Yod, General Murphy, Daddy Nuttea ou Tonton David. Os artistas mencionados anteriormente permaneceram no topo até meados da década de 1990, quando foram ofuscados por uma nova onda de artistas de reggae composta principalmente de cantores brancos como Pierpoljak, Sinsemilia, Tryo, Baobab e Mister Gang, entre outros. No entanto, desde o início do século 21 , uma nova geração de artistas de reggae / dancehall surgiu liderada por pessoas provenientes principalmente das Antilhas Francesas. Entre estes últimos, é importante mencionar cantores como Lord Kossity, Mr. Janik, Raggasonic e mais recentemente Almirante T, Straika D e Yaniss Odua. Assim, por quase três décadas, o reggae e o dancehall, assim como o rap, o rock e o techno music, fizeram parte do universo musical francês e numerosos franceses, de várias origens e origens, abraçaram o estilo de vida e a ideologia Rasta. De fato, nos anos 1950 e 1960, como o Reino Unido, os EUA receberam centenas de milhares de imigrantes jamaicanos, muitos dos quais se instalaram no sul do Bronx, em Nova York. Esses migrantes permaneceram em contato com a Jamaica através de viagens regulares à sua terra natal e nunca perderam contato com a evolução cultural que ocorreu na ilha. Assim, quando no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, brindar também conhecido como estilo DJ se tornou moda na Jamaica, iniciado por artistas como U Roy ou Big Youth, esse novo gênero derivado do reggae chegou rapidamente a Nova York. Essa cultura jamaicana de DJ, combinada com os “ingredientes” urbanos americanos, deu origem à música rap e à cultura do hip-hop nos anos 70. Nascido na Jamaica, o DJ Kool Herc, que se mudou para o Bronx, Nova York, em 1967, foi fundamental na criação da música rap e da cultura hip-hop (Chang 2005: 67-85). Nas décadas seguintes, numerosos rappers americanos de origem jamaicana ficaram famosos, como Notorious BIG, Busta Rhymes ou Heavy D, entre outros.  A relação cultural entre as culturas hip-hop e reggae implica a existência de pontos comuns entre esses dois universos. Em primeiro lugar, ambos emergiram de um contexto de opressão e ambos refletem o estilo de vida e a sensibilidade dos habitantes negros dos guetos urbanos. Em segundo lugar, ambas as culturas se rebelam contra o ''establishment''. De fato, o rap de Afrika Bambaataa e Public Enemy, bem como o toaster de Big Youth e o reggae de Burning Spear, denunciam há décadas as injustiças sociais enfrentadas pelos negros, respectivamente, nos EUA e na Jamaica. Além disso, esses artistas comprometidos lutam contra o eurocentrismo e defendem, à sua maneira, o pan-africanismo.  O Impacto da Música Reggae na África .A população jamaicana é primariamente de ascendência africana, o reggae tem suas raízes nas antigas formas musicais africanas e, desde seu aparecimento, os cantores de reggae têm constantemente prestado homenagem à pátria africana. Não surpreendentemente, o reggae teve um forte impacto no continente africano. Na verdade, é o carismático e poderoso Bob Marley quem primeiro atingiu o continente no final da década de 1970 com músicas como “Africa Unite” (1979) ou “Zimbabwe” (1979). Ele rapidamente se tornou um símbolo para os jovens africanos e muitos começaram a se identificar com os jamaicanos e a cultura rasta. De fato, era fácil para os jovens africanos se compararem com os jamaicanos, pois ambos eram negros vivendo em condições adversas - por exemplo, os guetos jamaicanos são bastante semelhantes aos africanos - e, acima de tudo, ambos eram oprimidos por brancos de origem africana. uma perspectiva política, financeira e social. Consequentemente, numerosos africanos começaram a tocar reggae e surgiram artistas eminentes como Alpha Blondy - que é considerado por alguns críticos como um dos maiores cantores de reggae do mundo - e Tiken Jah Fakoly na Costa do Marfim ou o falecido Lucky Dube em África do Sul.
Na parte do reggae,renomados artistas jamaicanos e mundiais prestaram homenagem a astros do rock como Bob Dylan,Rolling Stones,Police,Gratefull Dead,The Beatles,Pink Floyd e outros,gravando várias músicas deles em ritmo reggae,e renderam algumas excelentes coletâneas..
---------------------------
https://journals.openedition.org/etudescaribeennes/4740?lang=en
https://www.loudersound.com/features/17-rock-reggae-crossovers-that-work-and-three-that-don-t

quinta-feira, julho 05, 2018

NATURE MAKONNEN

 






















--------------------------------------------------------------
O artista do reggae Nature Makonnen, vindo da Guiana, América do Sul, é um Rastaman em primeiro lugar. Seu amor pela música vem do som da palavra Nyahbinghi, ao qual ele se refere como "música de batida de coração". Nature Makonnen sente que é vital falar palavras de elevação e os artistas devem passar também boas vibrações..
Temas de Nature Makonnen:''Never Stop Hail 'n Jah'',''Ghetto Cry'',''Nah Bother Mi'', ''Free I'' e ''True Purpose'',seu último single de julho de 2018..
-----------------------------
DISCOGRAFIA
Singles
True Purpose-2018

Free I-2016Nature Makonnen